Depoimento: Renata Elaiuy Schumiski

Depoimento: Renata  Elaiuy Schumiski

A Renata é uma querida de alguns anos, dentista, mãe do Gabriel de 6 anos e da Fernanda de 3 anos,  ela de cara topou dividir sua história e experiência e hoje ela nos conta um pouco das diferenças entre as duas gestações, como lidou com um bebê prematuro e as dificuldades que enfrentou. 
Renata, Fernanda e Gabriel

Como você descobriu que estava grávida?

Tenho 2 filhos e nos 2 casos, através de teste de farmácia. Na primeira gravidez tive todos os sintomas clássicos de enjôo, atraso na menstruação… Até tomar consciência e ir fazer o teste. Na segunda gravidez, não aguardei sintoma nenhum nem o atraso… Descobri com um teste de farmácia feito na data prevista da menstruação.

Sua gravidez foi planejada? Se sim, há quanto tempo estava tentando?

Sim. A do meu primeiro filho, engravidei no primeiro mês de tentativa! Parei de tomar o anticoncepcional e mês seguinte estava gravida! Mas a segunda gravidez demorei 2 anos!
 

Como foi sua gravidez?

A primeira foi conturbada, muito enjôo, diabetes gestacional, inchaço, muito sono, e muita preocupação, pois minha placenta calcificou e no final do sexto mês, já sabia que meu bebe (Gabriel / hoje 6 anos) nasceria pré-maturo. A segunda foi super tranquila! Enjôos leves e só no começo. Nenhum inchaço e sem diabetes gestacional, para aguardar a Fernanda hoje com 3 anos.

Você teve algum cuidado especial com alimentação, beleza e atividade física?

Na do Gabriel sim, com restrição ao açúcar devido a diabetes gestacional, no segundo trimestre da gestação. Fazia exercícios físicos leves com personal trainer. Pois já treinava antes de engravidar. Não fazia nada de química no cabelo. Trabalhava normalmente no Consultório odontológico. Na gravidez da Fernanda, eu parei de trabalhar, devido a preocupação dos sintomas da primeira gravidez se repetirem. Queria dormir na hora que o sono batesse, comer na hora que desse fome… E como meu marido concordou, juntos tomamos esta decisão de eu ficar mais “relax”. Não fiz exercícios físicos, pois eu já tinha parado devido ao meu bebe Gabriel consumir mais o meu tempo… Fiz progressiva no cabelo (sem saber que já estava gravida – afinal foram 2 anos tentando). Não inchei, não tive muita sonolência, e não tive diabetes gestacional. Fernanda nasceu no tempo certo.

Coisas que você ouviu durante a gravidez?

Não ouvi muitas não… Acatei conselhos, descartei o que não concordo… Tanto é que nem me lembro!

E os conselhos que nos dão quando o bebê nasce?

Esses sim são delicados! Pois cada mãe é uma mulher individual, não podemos generalizar “ser mãe”. E dentro da minha individualidade, fiz opções quanto a rotina, educação… Confesso que com o primeiro filho fui mais rigorosa, na segunda vez… Aceitei muito mais ajuda, não fui tão rigorosa quanto as “rotinas”, e o resultado foi muito bom, pois com 2 filhos, precisamos um pouco mais de ajuda e precisamos ter flexibilidade para aceitar ajuda da maneira que as pessoas podem nos ajudar. Então, da primeira vez ficava mais irritada, na segunda, ouvia mas não me atingia ao ponto de me irritar.

Como foi seu parto? Você sentiu algo diferente antes? Quais os sintomas?

Os 2 foram cesárea por motivos médicos. Preparei-me para normal no Gabriel, mas não tive escolha devido ao quadro clínico. A primeira cesárea, eu tinha um bebe na UTI neo Natal por 21 dias, então eu senti dor devido ao vai é volta na maternidade pois eu tive alta-médica e o Gabriel não, mas nada que um bom analgésico e um médico atencioso não nos ajudem. A segunda cesárea foi bem mais fácil! No dia seguinte ao parto, andava, tomava banho… Vida normal!
 

Como foram os primeiros dias?

O Gabriel por conta da prematuridade tinha muita cólica, mamava de 2 em 2 horas, então foi muito intenso, eu vivia em função dele (e amava isso – sabia que um dia terminaria). A Fernanda, em sua primeira noite em casa, dormiu 5 horas seguidas! E logo começou a dar estes intervalos longos durante a noite. Ela era muito mais agitada, sempre dormiu menos… Como fiquei 21 acompanhando o Gabriel na UTI-Neo, fiz um “intensivo” com pediatras e enfermeiras quanto aqueles primeiros dias na amamentação, cuidar do umbigo, levantar o bebe após a mamada, sinais de que estão satisfeitos, como ordenhar e armazenar o leite materno. “Tudo coopera para o bem”. Então fui amparada profissionalmente nos primeiros dias. Minha única experiência desagradável foram as dores devido a mastite e um cisto que reteve pus, logo no primeiro mês da caçula Fernanda, me impedindo de seguir a amamentação materna, foi frustrante pois o Gabriel eu amamentei até os 8 meses. Mas graças a Deus pelas mamadeiras! Fórmulas e leites em pó! (E porque mamadeira, outra pessoa pode dar por nós… Ajuda bastante).
 

Você teve medos durante a gravidez ou durante o parto? Alguma insegurança?

Tive medo da prematuridade. Pois não tinha um caso na família ou de amigas, então pensei que fosse pior… Depois que vi ser comum, superável… Nem tive muito medo da segunda gravidez isso se repetir, fiquei apenas atenta, cuidadosa, mas a cada pré-Natal via que estava indo tudo bem então segui mais confiante.
 

Hoje depois de tudo o que passou o que você diria para outras mamães, tentantes ou as que pensam em engravidar?

 

Tente, tente, tente! Tenha filhos! É a maior realização na vida de uma mulher! Hoje com 6 e 3 anos meus “bebês” estão crescendo… Está passando a fase de “bebê”, então: Amamente! Se canse! Rsrs… Acorde a noite! Pegue no colo! Faça Papinhas! Nada disso você fará para sempre… Então aproveita os momentos únicos! Palpite sempre vai ter! Retenha o que é bom, despreze o que não é! Tenha humildade em saber que quem aconselho está se preocupando… Por amor… Uma parcela de educação da nossa parte, pode evitar conflitos desnecessários. Seja segura! Afinal a mãe é você é Deus confiou a VOCÊ essa dádiva! 

Posts relacionados

Deixe uma resposta